domingo, 22 de julho de 2012

CARLOS BASTOS - 53 ANOS DE ARTE


SALVADOR, 1° DE  JULHO DE 1997
GALERIA ANARTE
Texto Reynivaldo Brito
Foto Divulgação / Beto Oliveira
                                                                                 APRESENTAÇÃO

Carlos Bastos é um anjo enviado dos céus para resgatar nesta cidade do Salvador a grandiosidade do barroco, a alegria de nossa gente, a beleza de nossa arquitetura e a nossa religiosidade. Em outra encarnação deve ter sido um lorde, daqueles que carregam uma bagagem cultural sólida e educação refinada. Sua arte tem uma marca indelével do grande desenhista que é, base importante para qualquer artista que se debruce sobre uma tela. Seus anjos andróginos, suas freiras, o casario majestoso e os palácios que permeiam sua obra misturados com objetos surrealistas demonstram que o artista brinca com estilos, mistura-os propositadamente como se estivesse querendo testar o resultado. Tudo surge espontaneamente de uma simples mancha que ele faz na tela branca e daí começam a chegar os personagens que vêm povoar este seu mundo onírico.
Foto da obra Anjo da Guarda, onde vemos o próprio Carlos Bastos no leito.
Uma presença importante nesta cidade desde que fez sua primeira exposição na então Biblioteca Pública, que funcionava na Praça Municipal, e que foi demolida para dar lugar ao famoso “Cemitério de Sucupira”, hoje sede da Prefeitura Municipal. Já teve vários de seus painéis e murais destruídos pelo fogo ou pela sanha de insensíveis proprietários de imóveis.
Mas ele ressurge como fênix e vem com mais força, escudado por seus anjos andróginos numa atmosfera mágica que é a sua marca registrada. Suas telas não precisam de assinatura para serem identificadas, porque Carlos Bastos tem uma caligrafia pictórica própria. Nesta exposição, ele faz uma leitura de sua vida, como se quisesse contar para nós os momentos de sofrimento e alegria que passou nos últimos anos. Por três vezes viu a morte de perto, e certamente esta experiência, à qual tive a oportunidade de vivenciar uma vez, nos abre a visão para a nossa própria fragilidade como ser humano.
Examinando seus quadros podemos identificá-los em várias etapas de suas vidas. O cidadão na cabeceira de uma mesa, como um vaqueiro diante do castelo de Garcia D’Ávila que ele recriou a partir das ruínas, no astronauta que visita o prédio renascentista, no anjo que paira abençoando o casal, enfim, Carlos Bastos esta aí anunciando que já esteve por aqui outras vezes encarnando personagens diferentes. Com esta multiplicidade de vidas, o artista aparece entre os seus companheiros de jornada não numa atitude narcisista, mas com a intenção de revelar, para nós mortais, que já esteve por aqueles lugares que admiramos em suas telas.