sábado, 28 de setembro de 2013

25 ANOS DE CRÍTICA DE ARTE


JORNAL TRIBUNA DA BAHIA, SALVADOR , 07 DE DEZEMBRO DE 1999

Fernando Freitas Pinto
 O crítico de arte e jornalista, Reynivaldo Brito está completando 25 anos de crítica de arte através de sua coluna semanal no jornal A TARDE. São centenas de escritos e apreciações críticas de artistas plásticos brasileiros e internacionais. Reynivaldo começou sua carreira jornalística no jornal Correio da Manhã, no Rio de Janeiro e na Secretaria de Imprensa da Bahia. Em 1970 ingressou no jornal A TARDE como repórter, tendo como primeira tarefa, a entrevista com a cantora Maria Callas.
Nesse conceituado jornal, onde trabalha até hoje, ocupou os cargos de chefia de reportagem, editor geral e atualmente editoria o jornal dos domingos, além de escrever para a coluna de artes visuais, com a competência, a independência e a seriedade de sempre.
Reynivaldo, amante da arte contemporânea, vivenciou a xilogravura com Hansen Bahia na década de 70, quando descobriu seu potencial e sensibilidade para fazer artístico. Nesses 25 anos de crítica de arte, adquiriu o respeito e o conceito perante os artistas, marchands e demais segmentos das artes plásticas na Bahia, sem falar nas apresentações inteligentes dos catálogos de exposições dos principais artistas baianos a exemplo de: Jenner Augusto, Fernando Coelho, Caetano Dias, Bel Borba, Washington  Sales, Tati Moreno, Lígia Milton, Juarez Paraíso, Fernando Freitas Pinto, Calasans Neto, Leonel Matos, Fred Schaeppi, Sante Scaldaferri, Ailton Lima, Márcia Abreu, Carlos Bastos, Yeda Maria e mais uma plêiade incontável de nomes. Nascido em Jacobina, residiu em Ribeira do Pombal e aos 11 anos, passou a morar em Salvador, onde estudou no Salesiano, Colégio Antônio Vieira e Colégio Central.
Formou-se em jornalismo em 1967. Estudou Sociologia na antiga Escola de Sociologia e Política da Bahia, diplomando-se também em ciências Sociais, pela Faculdade de Filosofia da UFBA. Reynivaldo vivenciou vários museus e exposições de artes em suas viagens pela Alemanha, Itália, Áustria, Inglaterra, Suíça,
Xilogravura, 1970 de
Reynivaldo Brito
Canadá e Estados Unidos, onde foi uma das vezes a convite do governo americano, além de ter participado de salões de arte por todo o Brasil. O seu dinamismo o levou a ocupar vários cargos representativos, sendo correspondente da Revista Manchete por muitos anos, professor da Faculdade de Comunicação da UFBA, além de empresário nas áreas de comunicação e comércio. Atualmente Reynivaldo escreve também para a Revista Neon, onde comenta sobre arte e artistas. Dentre em breve um grupo de artistas plásticos baianos estará homenageando-o com uma grande e bela exposição coletiva. Há ainda um projeto de livro com suas principais apreciações críticas de artistas baianos e convite para participar do painel “Artista em Destaque”pesquisa na Centenária Escolas de Belas Artes da UFBA.