segunda-feira, 17 de agosto de 2015

O QUE CARACTERIZA UMA OBRA DE ARTE ?


Foto Google
Urubus na Bienal de 2010, em São Paulo
Com propriedade e insistência, o poeta e cr[itico de arte  Ferreira Gullar reiterou em sua coluna na Folha de São Paulo e em outras publicações e entrevistas que os "urubus presos em gaiolas", ou "o casal nu postado numa porta" não são obras de arte.
Seus principais argumentos são: 1) o fato de elas não terem sido produzidas por mãos humanas e o fato que este é há mais de 5.000 anos, o critério para definir o que é arte; 2) o fato de elas não poderem ser consideradas belas; 3) o fato de não poderem ser criticadas, pois, não haveria critério para avaliar algo que ninguém fez.
Já a escritora Noemi Jaffe  entende que " em primeiro lugar, o argumento de que a arte tenha sido feita de uma certa maneira há muito tempo não define o que é arte. O ser humano trabalhou durante séculos como artesão dos produtos que consumia e, na atualidade, mal coloca a mão sobre esses produtos. Isso não muda o termo "trabalho" para ambas as intervenções: artesanal ou eletrônica."
Realmente, se formos por este raciocínio da Noemi vamos nos encontrar com a revolução industrial que passou a fabricar todo tipo de produto em série. Hoje as máquinas super automáticas produzem numa velocidade extraordinária, principalmente ,da informatização. Mas, evidente que um trabalho feito manualmente por um artesão categorizado certamente é diferenciado em relação àquele feito em série. Primeiro: porque o feito pelo artesão tem características únicas que o industrial não tem , porque ele é incapaz de fazer dois completamente idênticos.

Quanto aos urubus do  Nuno Ramos, na opinião da Noemi Jaffe "podem igualmente ser chamados de arte. E, mesmo assim, também neles houve intervenção humana: na concepção, na montagem, na relação espacial que se criou pelo contraste entre os urubus e o prédio de Niemeyer, no poema emitido pelas caixas de som e no estranhamento causado pela presença horrífica em um lugar em que se supõe encontrar somente o "belo"."
Também, não concordo com ela. O que os urubus podem causar é espanto e confusão na mente dos que não têm muitas informações sobre a arte, inclusive contribui para criar situações que pouco contribuem para entendimento e educação sobre a arte. Certamente, os urubus causaram estranheza e desprezo até serem retirados do local pelo Ibama.  Se colocarmos esses urubus junto de uma tela ou uma escultura não vamos conseguir identificar a "obra" do Nuno Ramos como sendo arte.
As bulas e verbetes que o Carlos Drummond de Andrade usou como inspiração ou partida para fazer alguns poemas não tem a mesma similaridade que os urubus de Nuno Ramos, e não vejo porque esta comparação da escritora Noemi.
Quanto a Ferreira Gullar citar a ausência do belo nos urubus do artista brasileiro,acho que nem sempre o belo esteve presente na arte contemporânea ou moderna. O que importa é a sua técnica, o que expressou, como expressou e se conseguiu emocionar o público. Esta coisa de só chocar não me enche os olhos e meus sentimentos de emoção.Não sou muito apreciador de instalações efêmeras e desconexas.
Finalmente, quanto aos urubus acho que foi apenas um jeito de apropriação de algo da natureza, com o claro objetivo de criar polêmica . Foi o que conseguiu . Mesmo considerado por alguns como sendo arte, não me tocou os sentimentos.