quinta-feira, 25 de agosto de 2016

OBRAS DE AMÍLCAR DE CASTRO EM SALVADOR

Obra de Amílcar de Castro onde ressai  forte gestual
A partir de 2 de dezembro os baianos poderão apreciar obras do escultor mineiro Amílcar de Castro , as quais permanecerão aqui até o dia 1º de outubro na Galeria Paulo Darzé, no Corredor da Vitória.
São 20 esculturas em madeira, ferro e aço corten além de 31 pinturas , sendo seis em papel e 25 sobre tela com a curadoria de Rodrigo Castro, que também assina o livro/catálogo quando diz que " Hoje ou em qualquer tempo, Amílcar de Castro sempre irá surpreender e preencher nosso olhar, nossa alma, com o inusitado, o novo, a arte pura de um mestre que, com sabedoria, empurrou o fim para um depois, mais e muito além do tempo. Possível apenas quando a vida e a arte, mutuamente atraídas, realizam o incomum, o raro e impensável”. 
Esta mostra é uma síntese de alguns períodos de criação do artista com a utilização de materiais diversos como suporte de sua arte forte e vibrante.Integrante do movimento neoconcreto Amílcar de Castro marcou presença no panorama das artes brasileiras . Teve um papel destacado quando da reforma do Jornal do Brasil elaborando a visualização gráfica, que na época chamava-se de diagramador.
Amílcar foi escultor,gravador,desenhista,diagramador, cenógrafo e professor de composição, escultura, desenho e teoria da forma na Faculdade de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais.
                                                                                                              

                                                                                       O ARTISTA
Amílcar de Castro com uma de suas esculturas


Nasceu em Paraisópolis, Minas Gerais, em 8 e junho de 1920, e veio a falecer em 22 de novembro de 2002, vítima de insuficiência cardíaca, após complicações decorrentes de uma angioplastia coronária.
Formado em Direito exerceu a advocacia , mas a arte exercia um fascínio que o levou a inscrever-se na Escola de Arquitetura e Belas Artes, onde frequentou o Curso Livre de Desenho de Pintura ministrado por Guignard e Escultura Figurativa com Franz Weissmam. Em 1952 muda-se para o Rio de Janeiro indo trabalhar como diagramador no Jornal do Brasil, que na época era um dos mais importantes jornais do país. Trabalhou também nas revistas Cigarra e Manchete,vindo a realizar o projeto gráfico do Jornal do Brasil, que revolucionou o visual dos periódicos brasileiros.
Sua primeira escultura foi apresentada na II Bienal de São Paulo, e em 1955  recebe o Prêmio de Escultura do Salão de Arte Moderna da Bahia.Participa das exposições do grupo concretista de São Paulo e Rio de Janeiro , Ganha vários prêmios .
Em Salvador participou em 1951 do III Salão Baiano de Belas Artes, e em 1955 recebeu o Prêmio de Escultura do Salão Nacional de Arte Moderna da Bahia, além de expor em coletivas e individuais .